Pinturas de Armanda Passos, minha pintora preferida.

sábado, 4 de setembro de 2010

Ainda a Casa Pia

A moça triste que vivia calada sorriu
A rosa triste que vivia fechada se abriu
E a meninada toda se assanhou
Pra ver a banda passar
Cantando coisas de amor

Chico Buarque


Sem querer emitir juizos de valor, uma conclusão é preciso! Acreditar na Justiça, que tão doente tem andado nos tempos que acontecem! Ainda fala esta gente da Saúde ou mesmo da Educação! Este crer implica que todos os envolvidos tenham o oportunidade de se defender, mesmo quando tudo parece ser o que é. Justiça não é o sentido pratico da vida mas sim a sua substancia; O tempo da Justiça popular já lá vai,embora hoje possua armas bem mais eficazes do que antigamente! Todos devemos confiar nas Instituições! Todos temos que esperar que a obra se realize e então sim, acreditar! É só do mistério que se tem medo. É necessário que não haja mais mistério ( Saint-Exupéry )

MORS-AMOR

Esse negro corcel, cujas passadas
Escuto em sonhos, quando a sombra desce,
E, passando a galope, me aparece
Da noite nas fantásticas estradas,
.
Donde vem ele? Que regiões sagradas
E terríveis cruzou, que assim parece
Tenebroso e sublime, e lhe estremece
Não sei que horror nas crinas agitadas?
.
Um cavaleiro de expressão potente,
Formidável, mas plácido, no porte,
Vestido de armadura reluzente,
.
Cavalga a fera estranha sem temor:
E o corcel negro diz: "Eu sou a Morte!"
Responde o cavaleiro: "Eu sou o Amor!"

VIVENDO

Contemplando e por vezes sonhando
Ia a Vida passeando
Através dos domínios terrenos.
Recordando,
Pensando.

Donde vens tão apressada
Oh Morte ?
Que da tua sorte
Eu não perduro nem alimento,
Afugento.

- Trágico destino o teu
Oh Vida !
Que por mais que te afastes
Mais perto de mim te encontras
Pra contas!

- Estou então prisioneira
Por ti encarcerada,
Procurando a felicidade
Mesmo o destino sabendo,
Morrendo!

Busca vã , mas aterradora
Nas entranhas do que é belo.
Para que te possa enfrentar
Nesse duelo, vencendo
Vivendo…