Pinturas de Armanda Passos, minha pintora preferida.

quinta-feira, 7 de julho de 2011

LUAMARA

O Sol imperial e distante
Sorriu com o oceano e nele se deitou
Mas em breve reparou
Que sua amante, vigilante
Da triste cena corou.

O mar a contemplou
Possesso, vaidoso e deslumbrante.
E ela se admirou
De sua atitude mareante
Provocante!

- Como posso eu tão pequenina
Causar inquietude ao imensurável?
Devo ter algo invejável
Que meu pensamento não atina.
Inimaginável!

Sou eu a Rainha da dor
E tu o rei obsceno
Mestre do despudor
Que minha face consente
Diariamente!

Mas do garanhão exuberante
Trouxe a aurora o meu amante
Que afinal nunca me traíra
Mas apenas orgulhosamente saíra
Num fim de tarde escaldante.

Agora já o contemplo a brilhar
A meu lado como sempre.
Mas logo sairá novamente
Sem nunca me abandonar
Para sempre !

Sem comentários:

Enviar um comentário