Pinturas de Armanda Passos, minha pintora preferida.

segunda-feira, 6 de junho de 2011

O ESTRANGEIRO

Dia de festa
Sol dourado, janelas floridas
Santa padroeira no andor, fogos , casamentos.
Crianças, moços e velhos, caboclos simples da ribeira
Cantos sagrados, ladainhas. Segue a procissão.
O Homem
Jovem, alto, bonito, branco.
Cabelos castanhos ondulados, olhos azuis
Chapéu panamá, botinas lustrosas
Vestia terno de linho, uma brancura só.
Perfume de alfazema.
O Homem
Em tudo diferente dos dali
Largou da procissão
Cruzou a rua, passos largos
Entrou na bodega do Militão
Tomou da branca, pigarreou
Saiu, tomou a direção do rio
Cinquenta metros do Largo da Matriz.
Desceu as escadas do cais, passos largos
Caminhou rio adentro
O terno branco tingiu-se de terracota
Tempo de cheias, águas barrentas
O homem continuou indo, indo
A santa da procissão parou para olhar
O homem indo, indo, sumindo, sumiu.
Tempo de cheias, águas caudalosas.
Um chapéu panamá, branquinho
Boiava rápido, rápido, longe, longe
Arrastado pela correnteza.

1 comentário:

  1. Belo poema de pura sensibilidade como pede a poesia

    ResponderEliminar